Pintura na casa, por onde começar?

Quando vamos pintar devemos ter em mente que a pintura protege (exterior) e embeleza (interior) os objetos.

Portanto é pensando também nestas características que se fará a escolha da pintura.

Decisões a serem tomadas antes de pintar:

1) Escolher uma cor:

É sempre difícil, tenha em mente que elas afetam o nosso humor e de nossa família.

Cores como amarelo, laranja e vermelho são cores quentes e muito vibrantes.

O verde, azul e púrpura são frias e calmas.

Pense se a parede, o quarto, etc. que você pretende pintar recebe muito calor ( use cores frias) ou ao contrario, muito frio (adote cores quentes).

Não esqueça, quanto mais claras as cores, menos energia elétrica você gastará. A luz do dia iluminará melhor e por mais tempo.

2) Qual é o tipo de material a ser pintado… (madeira, concreto, gesso, tijolo, massa, etc.).

3 ) Como está este material… ( quebrado, arranhado, muito danificado).

4 ) As condições do ambiente… (sol, umidade, calor, luminosidade).

5 ) Como queremos que fique… (brilhante, neutro, opaco).

6 ) Defina o material a ser usado e os custos.

+ Dicas na pintura das paredes

* O uso de selador antes da pintura fecha os poros da parede e impede que grande quantidade de tinta seja desperdiçada.
Aguarde o tempo mínimo recomendado, que esta descrito na embalagem ou Boletim Técnico da tinta, para efetuar aplicação da demão subsequente .

* Tenha cuidado com os defeitos existentes na superfície que você deseja pintar. Repare-os adequadamente antes de iniciar aplicação da pintura .

* Em caso de respingos, limpe imediatamente a superfície utilizando uma esponja ou pano umedecido com o próprio solvente/diluente do produto.

* Para pintar paredes de alvenaria (reboco, tijolo à vista , concreto), principalmente as externas, utilize tinta acrílica, que é mais durável e resistente à chuva, sol e intempéries.

Alguns dos problemas apresentados depois de uma pintura nem sempre são culpa da tinta de má qualidade.

Às vezes, uma parede descascada, um bolor ou a deterioração rápida da tinta podem ser resultados da pintura em parede que não foi adequadamente preparada.

Sem esse cuidado, pouca cobertura e baixo rendimento estão entre os problemas que podem ‘pintar’ depois de se ter gastado horas passando demãos de tinta, escolhendo produtos e outros materiais.
Alguns deles podem ser corrigidos por quem vai aplicar a tinta.
Outros, de caráter mais técnico, como paredes com rachaduras profundas, pedem o trabalho de um pedreiro profissional.

Contudo, por melhor que seja a tinta escolhida, se a parede não estiver protegida contra sujeira, umidade, rachaduras ou resíduos da tinta velha, pintar a residência será um investimento sem retorno.

Pintar um ambiente na ordem correta economiza tempo e dinheiro

  • Comece pelo teto;
  • Paredes;
  • Portas;
  • Janelas
  • E finalmente pinte o rodapé.

Saiba escolher os pincéis ou trinchas

Já na escolha dos pincéis, prefira sempre os de boa qualidade, pois garantem melhores resultados.
A qualidade do pincel tem um efeito direto na qualidade do acabamento e na facilidade com a qual a tinta é controlada e aplicada.
Os pincéis, também conhecidos como trinchas, podem ser encontrados de vários tamanhos e cores:

– Cerdas escuras – indicados para aplicação de tintas a base de solvente como os esmaltes, tintas óleo e vernizes.

– Cerdas grisalhas – indicados para aplicação de tintas à base de água como as tintas acrílicas.

Sendo que o tamanho do pincel varia de acordo com a área a ser pintada.

7 dicas para pintar as paredes da casa sem erros

Quer mudar o visual da casa e não sabe como? Que tal trocar a cor das paredes? Se estiver disposto e quiser economizar, você mesmo pode ser o pintor. Para não errar, confira sete dicas mencionadas pelo designer de interiores Fábio Galeazzo em seu livro Pequenas Mudanças, Grandes Transformações – Soluções Criativas para Decorar seu Lar e Gastar Pouco (Editora Alaúde, 64 p., R$ 9,90):

1 – A lista de materiais conta com lixa n° 150, lona plástica, fita-crepe, rolo de pintura, caçamba para tinta, tinta, massa corrida, gesso, misturador, trincha e espátula;

2 – Para saber a quantidade de tinta necessária, é preciso calcular o tamanho da área a ser pintada. Meça a parede e multiplique pela altura do pé-direito (altura do chão ao teto). Em seguida, multiplique essa metragem pelo número de demãos (normalmente, duas a três). O resultado da equação determina a metragem total. Algumas latas de tinta indicam a área que aquela quantidade cobre. Os vendedores também podem auxiliar a calcular a partir da metragem a ser pintada;

3 – A cor da tinta na parede pode ficar diferente da que consta no catálogo. Antes de comprar uma lata, a dica é adquirir ¼ de galão e testar em uma pequena área;

4 – Forre o piso com a lona, retire os espelhos dos interruptores, cubra os móveis e proteja com fita-crepe as maçanetas, os rodapés e os batentes. Passe a massa corrida sobre a fita-crepe para impedir que a tinta penetre e use uma espátula para remover o seu excesso;

5 – Tampe os buracos superficiais da parede com massa corrida, usando uma espátula, e tampe os orifícios mais profundos com gesso. Deixe secar por 20 minutos e passe a lixa n° 150;

6 – Mexa a tinta com a trincha e pinte com cuidado uma faixa horizontal rente ao teto. Com um rolo, dê cor ao restante da parede seguindo sempre a posição vertical. Espere que a tinta seque totalmente antes de passar a próxima camada;

7 – Se quiser que a parede tenha faixas coloridas, trace-as com fita-crepe. Escolha uma cor para ser a predominante e alterne com tonalidades harmônicas ou branco. Comece cobrindo com tinta uma parte sim e outra não. Espere secar totalmente e retire a fita. Com uma nova tira adesiva, cubra delicadamente a borda já pintada. Pinte os espaços restantes. Um pincel fininho dá o acabamento entre as cores.